sábado, 20 de novembro de 2010

Para onde foram os Escravos da Fazenda Suassuna?





            
 Para onde foram os Escravos do Barão    de Suassuna?
fabiano suassuna , no arruado do antigo engenho de penanduba-grande
    

      No ano de 1888 a escravidão foi extinta no Brasil, mais pouco se sabe de como os escravos da fazenda suassuna reagiram a esse acontecimento, uns diz que "eles seguiram para Olinda e se refugiaram em frente das igrejas", mais como se eles "não" sabia ocaminho outros dizem que "muitos ficaram nas praças de jaboatao",essa teoria é um pouco preconceituosa pois leva a afirmar que eles são os causadores  dos roubos da prostituição e das favelas em nosso município, coisa que não se coincidem com a realidade.
     O interessante é que no ano de 1889 é criada o núcleo do barão de lucena onde teve a primeira tentativa de reforma agrária em pernambuco, mais não existem relato de que os negros tornaram-se donos de lotes, na lógica os negros nem tinha documentos, como era que eles iam se inserir nesse novo mundo dos homens livres.
     Os escravos pertencia a uma classe que até  em nossos dias se matem viva, para os escravos nao planejaram casas e nem terra para sua sobrevivência a tentativa de sobrevivência se deu talvez refugiando-se dentro de matas, lugares de deficil acesso ou em Arruado ou seja alojamentos construídos para os trabalhadores do engenho da cana de açúcar.
                      "Só não era escravo quem pertencia a família dos senhores de engenhos ou colonos:  negros, índios e "pobre brancos o sol se encarregava de lhe dar a cor."todos eram escravos" relatou Fabiano Suassuna.
       
         Como esses grupos se desenvolveram na sociedade ainda é uma pergunta sem muita resposta ,só sabemos  que esses grupos são os mais desemguais economicamente e socialmente deste país.
    
               "As contradições sociais  criada pela falta de oportunidade depois da liberdade da escravidão  deve ser entendia e estudadas pelas classes sociais e não pela etnia, se esta  a analise for feita pela teoria de Karl Marx. Uma  pessoa nao pode ter privilegio por ter cor de pele diferente e sim por ter condições financeira desigual, pois essa se refere a riqueza  econômica que a todos pertence " falou Alexadre Roseno.

arruados onde moravam os  trabalhadores da cana de açúca do engenho penandubinha, pertencente a fazenda suassuna ou usina jaboatão
Lula Preto, morador do engenho penandubinha, e ex pastorador de boi da fazenda suassuna.
   um fato bem curioso é que um senhor conhecido como Lula Preto, morador do engenho penandubinha, assim quando a usina jaboatão abriu falência, 1994, ele não tinha onde morar, e a primeira reação dele foi se abrigar em uma loca de pedra( uma gruta de 3m aproximadamente) morou ali bastante tempo, debaixo dessa pedra , que fica acima do arruado do engenho penandubinha.  depois de  muito tempo sua irmã o colocou em um abrigo  próximo do lote 56

Ruinas da provavelmente senzala da casa grande do engenho Penanduba-Grande
Arruado do engenho suassuna que fica ao lado da antiga usina jaboatão, na rua do tanque do mel


          Falar sobre a escravidão no Brasil, é poder conhecer um pouco sobre homens e mulheres e crianças que deixaram  seus país,não por vontade própria , mais de maneira rúdeo,cruel e totalmente desumana onde reinava a vontade do lucro demasiado dos europeus, os negros recém chegados no Brasil eram de origem diferentes, assim não tinham como comunica-se uns com o outros, muitos negros morreram de derrame cerebral ( o AVC ) causado pelo transtorno psicológico ao serem separados de suas família ou seja do seu grupo social e além disso ser levado e vendido, tornando-se uma propriedade privada, numa terra onde não conhecia, não falavam sua língua e onde  era obrigado a trabalhar sem o direito de  liberdade.
            Nos primeiros anos foi muito difícil reabilitar os escravos e torna-lo ele produtivo, um dos fatos que chama atenção foi considerar que o negro não tinha alma assim a igreja nao  considerava pecado castiga-lo como se castiga um animal, para intervir nessa contradição a igreja católica pregava ao negros que "nossa senhora aliviava as dores" , a escravidão foi também  defendida pelos Governo Holandes que eram  protestantes  em pernambuco, quase toda classe social e intelectual da época defendia a escravidão exceto alguns critico da época como no caso do Joaquim  Nabuco entre outros.
        O motivo que levou muito apoiarem a escravidão estava  ligado a mao-de-obra, quem iria produzir?, trabalhar no campo?, pergunta que calava  a muito, segundo o Genealogista do IAHGP, Galvão " ter um escravo na epoca era como  ter um carro hoje em dia, era tão natural que quando um escravo se tornava livre ele juntava dinheiro e comprava um pra si."
    Sobre forte influencia Positivas  de grandes pensadores da época. Princesa Isabel  assinou a Lei Áurea em 13 de maio de 1888  realizando a abolição da escravidão no Brasil.


foto do inventario pertencente ao  IAHGP 
 IAHGP

6.      Dona Maria Luiza Francisca de Paula – falescida – casada que foi com José Castor Barboza Cordeiro 

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Fazenda Suassuna 422 anos

Somos o Maior Patrimônio Cultural do Jaboatão
e por este motivo estamos proclamando nossa
independência  Cultural!! 
Como Dizia os Escravos do Barão de Suassuna:  
        "Viva à Liberdade...".



          No dia 07 de Setembro a organização de jovens e adolescentes da fazenda suassuna realizarão um encontro cultural em homenagem aos 422 anos da Usina Jaboatão, o evento  foi realizado no salão da capela da usina,  ouve debate sobre a cultura e os problemas sociais  da nossa comunidade e exposição de fotos do antigo engenho suassuna, engenhos pertencidos a usina jaboatão, dos sítios e das comunidades que forma a fazenda, sem deixar  de comentar a participação dos músicos  que mostraram  a cultura local através da musica.

         A grande ideia da juventude suassuna é promover mais 2 ou 3 encontro de divulgação de nossa cultura nas comunidades da fazenda suassuna, no primeiro encontro foi percebido a importância de conhecermos nossos ancestrais e a partir dessa visão muitos jovens no debates falaram sobre nossa maneira de agir e pensar ou seja nossa cultura estar marcada nos costume que herdamos dessas pessoas que construíram a nossa comunidades.
                         "não queremos ser um grupo apenas  assistêncialista, estamos levando uma politica  de conhecimento cultural para as pessoas ou seja é a própria juventude suassuna falando da sua história a  comunidade". Argumentou: Alexandre Roseno
o musico nivaldo falando da cultura negra em nossa comunidade

alexandre roseno comentando a importância dos 422 anos da fanzenda suassuna
        A grande critica do debate foi sobre como o poder publico ver nossa comunidade.
                                 "somos o maior patrimônio cultural  histórico do Jaboatão  temos 422 anos e mesmo assim nossa comunidade não é registrada ou seja ela não existe de fato".relatou Fabiano suassuna articulador social da organização.
                                 "não recebemos cartas pelo fato de nossa ruas não terem nomes e nem Cep, encontramos muita dificuldades em escrevermos para o ENEM e concursos públicos. relatou Rosália
          Essa critica esta relacionada ao fato de  as comunidades da fazenda suassuna não ser registrada ou cadastradas na prefeitura, esse foi o ponto auto do debate, tudo isto demonstra o fato de as pessoas não conhecer a fazenda suassuna e se a conhece não prioriza resolver suas necessidades e muitas vezes ditam projetos baseados na vontade de determinados grupos e não na comunidade.
o senhor Caetano grande possuidor de fotos da antiga usina jaboatão, ele foi premiado com um livro  pela juventude suassuna








os músicos


o musico oziel
Alexandre roseno a cantora Rosália e o contabilista Renato


mural da exposição



            Nossa cultura é marcada pela luta da sobrevivencia
irmão neco do ´sitio d pedra da baleia usina jaboatão

antonio do lote 56 e seus filho e o amigo anjinho

sítio de penanduba grande

casa do assentamento dos sem terras em engenho são pedro
a principal fonte de trabalho dos funcionários da usina jaboatão

Fotos do sobrado ou academia suassuna da usina jaboatão
academia suassuna ou sobrado da casa grande da usina jaboatão


antigo bueiro da usina jaboatão , ele foi derrubado em agosto de 2010 para a construção de casas pela CEHABE
parte do tronco do bueiro
casa do gerente fica ao lado do sobrado
escadaria da subida da academia suassuna ou sobrado da usina jaboatão

academia suassuna ou sobrado da usina jaboatão
portas do sobrado da usina jaboatão
entrada principal da academia suassuna ou como é conhecida : sobrado da usina jaboatão


Matando um pouco a saudades
 usina jaboatão, fotos do senhor  severino Caetano francisco
 usina jaboatão, fotos do senhor  severino Caetano francisco
 usina jaboatão, fotos do senhor  severino Caetano francisco

 Um pouco da História da Fazenda Suassuna ou Usina Jaboatão


   No ano de 1575 o Donatário de Pernambuco, Duarte Coelho de Albuquerque doou a Gaspar Alves de Purgas uma légua de terras nas ribeiras de Jaboatão, no mesmo ano Gaspar vende a maior parte de suas terras aos irmãos judaicos Diogo Soares e Fernando Soares pelo preço de 200$000, para a construção de um engenho. nesta compra existiu duas etapas  a primeira é marcada pelo um contrato de 06 anos onde o senhor de engenho era obrigado a cumprir uma produção de trinta tarefas de cana anualmente este contrato não foi comprido. a outra etapa é que os irmãos Soares resolveram comprar a maior parte das terras de Gaspar e se livrar das regras de produção isto em 22 de Dezembro 1581.


    No dia 08 de Agosto de 1588 no cartório na vila de Olinda é registrado o Engenho Suassuna,  a partir  desta data  é construído a cultura canavieira e o desenvolvimento econômico dos senhores de engenhos de açúcar em nossa comunidades onde estes  criaram  suas família e formaram suas vidas social e politica no Brasil colonia e  que ficaram marcados para sempre na História pernambucana.    Os irmão Soares denominaram o engenho com o nome de Nossa Senhora de Assunção e logo depois o engenho passou a ser chamado por eles de Engenho Suassuna.

   Nessa época existia varia tribos de índios, em Pernambuco principalmente os índios caetés  e eram em grandes números, o nome Suassuna é indigina e quer dizer viado preto, tipo de animal que em grande quantidade  que bebiam águas nas ribeiras do riacho que também recebeu o nome de riacho Suassuna , mais com tudo isto não se pode ainda afirmar a existência de índios nas terras do engenho.

   Séculos depois o engenho foi vendido a senhor Francisco Xavié Cavalcante de Albuquerque sua família denominou o engenho de fazenda Suassuna eles se tornaram grandes senhores de engenhos do império português estudavam na Europa foram mestres no conhecimento acadêmico da época e senhores da guerra e possuidores de grades números de escravos, foram Coronéis e Barões e Viscondes, títulos de nobreza da família real portuguesa.

   A família Albuquerque se tornaram tão prospera que no ano de 1821 o Coronel Suassuna, Francisco de Paula Cavalcante de Albuquerque no seu inventário descreve mais de 125 escravos e muitos no valor de 150 Reis isso demonstrava uma riqueza para poucos naquele século.

   Nesta época o engenho era formado pelo senhor de engenho,escravos e colonos brasileiros e estrangeiros ligado a família do senhor de engenho

  Os irmão Suassuna, Francisco,José,e Luiz influenciado pelas ideias liberais da revolução francesa e com o apoio de napoleão Bonaparte amigo de Luiz que estudava na Europa, criaram a academia Suassuna para realizar as primeiras pregação politicas de separação de Portugal no Brasil colonia mas antes de a conspiração ser realizada, eles foram denunciados a corte pelo coronel José da Fonseca Silva Sampaio sobre um uma tentativa de rebelião dos irmãos com o o império de Portugal este acontecimento ficou conhecido como conspiração suassuna, alguns criticam este acontecimento como de menor importância, pois não se comprovou nada contra aos irmãos Suassuna, mais a ideia da conspiração existiu sim de fato, para que um senhor de engenho ia construir uma academia (conhecida hoje como sobrado ), túneis dentro das matas com celas e cadeados? Na lógica os Suassuna subornou os responsáveis pelo inquérito. Gilberto Freire conta que logo depois os irmão Suassuna citou este acontecimento como "influencia da juventude acadêmica europeia".

  Em 1889 a família Albuquerque vende as suas terras ao Estado, essa fase marca o fim do engenho movido a água no Estado de Pernambuco, o Estado ao comprar suas terras, cria o núcleo Barão de Lucena que é conhecida como a primeira tentativa de reforma agrária do Brasil, foram criado 145 lotes alguns desses se tornaram hoje em bairros( como é o caso de lote 56, lote92 lote16, lote23, lote01 padre Roma, entre outros). No dia 31/12/1894 o governo desistiu do projeto e fecha o núcleo Barão de Lucena ou usina colonia como ficou conhecida popularmente e por muita "conhecidencia" foi vendida a família Suassuna novamente ao senhor Joaquim cavalcante de Albuquerque logo depois  da compra os Albuquerques denomina  o nome da usina de  Usina Jaboatão, A partir deste momento é registrado um crecimento industrial muito grande com as linhas férreas atingindo aproximadamente 20 engenhos . no ano de 1950 a usina tinha 25 engenhos e 09 locomotivas uma riqueza dominante no mercado do açúcar.

  No ano de 1973 o usineiro resolveu acabar com as linhas férreas e investiu em caminhões e tratores influênciados pelo novo modo de produção industrial que o Brasil passava.

  A partir da década de 90 a usina passa a sofrer grandes impacto com o mercado financeiro do açúcar,o açúcar caiu seu preço no mercado e usina passa a dever bastante ao governo federal e em 1994 o a empresa abre falência e acontece o fechamento da usina Jaboatão deixando milhares de desempregados e sonhos de vida  frustrados.
hoje :  o local da usina esta sendo construído  casas populares pra o povo da enchente de2005
segunda-feira, 5 de julho de 2010

Em busca do ouro perdido

Em busca da nossa História 






                                        A turma da pesquisa
                       casa grande do engenho Penamduba Grande
                                   um brejo como diz o matuto ...

                                   olha  só  a situação do caminho é pura adrenalina...!!!
Sem contar que nesse dia a turma se perdeu o destino era  chegar nas pedras de Caiongo, mais erramos o caminho ....



A  Juventude Suassuna está  se aventurando em mais um desafio, "Em busca do ouro perdido" a ideia é documentar nossa história , visitando os engenhos e fazendas e sítios, conversando com os moradores mais antigos pesquisando o que somos nós e quem são os nossos ancestrais.


A mais nova visita foi a três engenhos, Penandubinha, Penanduba grande, e engenho são Pedro já destruído.
O que chamou mais atenção foi o engenho são Pedro, o engenho não existem mais o que se tem por la são assentamentos ou pequenos sítios, o incrível é que o INCRA diz repartir o engenho são Pedro a trabalhadores da antiga usina Jaboatão, mais na realidade o que se estar para dividir é um pequena área do engenho, para se ter noção andamos quase trinta minutos de moto dentro do canavial sem encontrar casa, com isso já se dar para ter noção do tamanho de um engenho...


 Sem contar a precariedade das casas grandes dos engenhos...


Para  trilha do conhecimento , participaram: Fabiano, Leu, Geronimo o toca, Alexandre, Joas gracheiro, cafú, ném e rafael

Uma dica importante  quem for  aos engenhos nesses dias chuvosos  deve ter cuidado com  a lama nas estradas  e deve sempre ter alguém que conheça a área para não se perder nos canaviais.
quarta-feira, 30 de junho de 2010

É pura realidade




















.


O politico papai  Noel  tá chegando !!!!!
para te ferra...

      Um alertar a toda a juventude suassuna , está chegando  as eleições e com ela vem os cara de pau sem vergonha, mentirosos que se declaram amantes de nossa cidade e conhecedor de nossa necessidades, como sabemos é dever  nosso votar ou anular o voto, mais devemos garantir esse direito conquistado com muito esforço dos movimento populares no Brasil por  isso vamos a urna eleitoral no dia .
    A lógica é a seguinte : respeitar qualquer q seja o politico ouvir sua "ideia" e se ela for compatível com a necessidade do seu bairro e se merecer vote nele, se não  for merecedor, deixe-o  morrer de mentir, cansar de subir ladeira, e ser golpeado babacas que se dizem sem representantes dos moradores e aproveita os cargos só para ganhar dinheiro nesta época de natal dos papai Noel políticos.

    Então turma respeito é bom e não devemos nos preocupar porque tudo isso passa, e depois de Outubro é que agente ver quem ta afim  de fazer um politica seria.
terça-feira, 8 de junho de 2010

Agroflorestal , Sítio, Agricultura Familiar

manga espada


                      Durante Janeiro de 2009 e Maio de 2010 a Organização de Jovens e Adolescente da Fazenda Suassuna realizaram uma pesquisa sobre os Sítios e como sobrevivem os que moram e dependem dessas terras para sua sobrevivência, o objetivo da pesquisa é mostrar o potencial econômico dos Sítios na cidade do Jaboatão do Guararapes Pernambuco.
                       A grande diversidade em termos de produtos ou seja de frutas,hortaliças,animais ,peixes e raízes que proporcionam os meios de sobrevivências das famílias que vivem nos sítios foi o que chamou mais atenção .
                      Os Sítios segundo a pesquisa produz vários tipos de produtos ao longo do ano , no entanto obedecendo a estação natural da terra, isto é o que garante a produtividade e sobrevivência dessas famílias em suas terras ao longo do ano.
                      Na pesquisa se constatou que muitos dos Sítios não participam de programas do Governo Federal voltados para à agricultura familiar . O desenvolvimento entre um Sítio que participa do programa e o que não participa são muito grande , na medida que a família entra no programa da agricultura familiar ela produz mais, investe e tem sonhos em crescer e fortificar sua terra.
                      Um fato muito negativo é a desvalorização dos Sítios , na derrubada de árvores aterramentos de nascente e o aumento de plantação de cana de açúcar nessas áreas de árvore frutíferas . A grande desmotivação vem dos filhos dos produtores rurais , os mesmos não enxergam futuro em viver da sobrevivência do Sítios e acabam indo trabalhar no mercado formal e industrializado.
                     O Sítio é responsável pela preservação das árvores e automaticamente do ecossistema.
                     A pesquisa ressalta em suas finalizações a importância dos Sítios para à agricultura familiar Brasileira. A desvalorização dessa produtividade se enquadra na desvalorização do produto agrícola ecologicamente correto ou seja sem agrotóxico.


No mes de dezembrode 2010 será lançado um docomentario.

A pesquisa foi realizada entre Janeiro de 2009 e Maio de 2010 , pelo pesquisador Alexandre Roseno.
O mesmo é diretor da organização de jovens e adolescente da fazenda suassuna , e pesquisador social
www.juventudesuassuna.blogspot.com
junho de 2010

About Me

Seguidores